O Corinthians Feminino está vivendo uma fase histórica com direito a recorde de vitórias e gols marcados. Após vencer a equipe da Ferroviária por um placar de 3×1 no Parque São Jorge, a equipe corinthiana comandada por Arthur Elias conseguiu sua 29ª vitória consecutiva e garantiu a semifinal antecipada do Paulistão 2019. Victoria Albuquerque o diga.

Por conta disso, temos o orgulho de falar que o Corinthians conta com um grupo extremamente forte e peças chaves para o sistema tático de Arthur Elias funcionar bem defensivamente e principalmente ofensivamente.

Leia também: FIFA exalta Corinthians como único não europeu com 2 Mundiais.

Uma dessas peças importantíssimas e que participa das diversas triangulações oferecendo a criatividade para o meio campo através da sua versatilidade é Vic Albuquerque. A meia atacante que mantém a excelência e dedicação nos jogos  é uma das responsáveis por gols e assistências que ajudaram o Corinthians a construir vitórias importantíssimas levando a equipe para uma campanha que é histórica, chegar forte para um possível título nessa temporada.

Victória Albuquerque tem 21 anos, natural de Brasília, jogou pelo Minas ICESP na temporada passada marcando oito gols em 13 jogos, e foi defendendo o clube que teve a oportunidade de conquistar o título Sul-Americano pela seleção brasileira de base. Chegou ao Corinthians nessa temporada e vem sendo cada vez mais decisiva nas partidas com 26 jogos e 14 gols, também é líder em assistências do time no Brasileirão.

Victória chegou a incrível marca de 11 gols em 18 jogos com um het trick em seu ex clube

Conversamos com exclusividade com a camisa 17 do Timão sobre começo de carreira, Corinthians, fases finais de Brasileiro e Paulista, seleção brasileira e sonho de jogar no exterior. Confira:

Como foi sua entrada no Futebol Feminino? Sabemos que desde cedo a dificuldade é imensa para ingressar nesse sonho, principalmente num país que ainda tem essa cultura machista, mas qual foi o ponto de partida mais importante pra você chegar onde está hoje?

Victoria Albuquerque: A minha entrada no Futebol Feminino foi muito parecida como a maioria das atletas, comecei a jogar com meninos na rua, só depois de um tempo fui encontrar um time feminino de futsal e ganhei uma bolsa na escola com um treinador que me deu oportunidade para estudar e jogar até o terceiro ano do colégio. Nesse processo encontrei o Minas ICESP e hoje estou no Corinthians, mas com certeza, essa cultura machista dentro do futebol dificultou muito meu sonho se realizar mas lutei contra isso, minha família me apoiou em tudo e espero que isso mude logo.

Gostaria que você falasse um pouquinho sobre o cenário do Futebol Feminino pós Copa do Mundo e a importância disso para as atletas jovens que ainda estão buscando o sonho de vestir a camisa de um grande clube como o Corinthians.

Victoria Albuquerque: O cenário com certeza mudou muito, em questão de melhorias mudou pra melhor investimento, o olhar das pessoas para nós, o carinho aumentou bastante, as atletas de seleção virem jogar no Brasil influenciou muito na decisão das pessoas de apoiar o Futebol Feminino em ter investimento, patrocínio, propagandas e até palavras pra incentivar muitas meninas que estão começando agora a jogar futebol desde pequenas. Essa Copa teve uma impulsão muito grande em relação a isso, e com certeza as meninas que estão começando agora podem extrair o melhor disso e podem inclusive melhorar o cenário do Futebol Feminino.

O Corinthians acaba de quebrar um recorde mundial de vitórias histórico, como é lidar com essa realidade e como manter o foco pra sequência da temporada que ainda tem jogos decisivos contra adversários fortes pela frente?

Victoria Albuquerque: Ah, quebrar o recorde foi uma sensação muito boa, a gente vem trabalhando muito forte, nosso elenco é muito forte, muito versátil, as atletas são muito bem preparadas e escolhidas a dedo, fazem funções diferente dentro de campo, é um time muito completo. Então, a gente trabalhou muito pra isso, pra ganhar sempre, não para bater um recorde mas para sairmos de campo satisfeitas e agora que batemos o recorde precisamos continuar ganhando, porque as frases finais vão chegar e temos que manter o foco para vencer pensando no título e num bom desempenho da nossa equipe.

Sabemos que você tem se destacado bastante nas partidas pela sua visão de jogo e pelo número incrível de assistências na temporada, como você se sente sendo um dos pilares no esquema tático do Arthur?

Victoria Albuquerque: Eu fico muito feliz pela confiança que o treinador Arthur tem me dado, talvez meu desempenho não fosse tão grande se ele não me desse confiança e oportunidade. Eu sou uma atleta que gosta muito de ver todo mundo feliz, assim como eu gosto de fazer um gol, eu gosto muito de dar uma assistência é como se fosse um gol pra mim, fico muito feliz de ajudar a equipe da forma que for, sendo gol, passe, uma roubada de bola, eu fico muito feliz de me sentir importante na equipe.

No dia a dia, qual a importância da estrutura do Corinthians e da visibilidade que está tendo na temporada para o Futebol Feminino? Isso reflete dentro de campo?

Victoria Albuquerque: Eu acho que isso é o mais importante no nosso dia a dia que é a estrutura, visibilidade, e investimento que o Corinthians tem, o acolhimento que ele dá para as atletas, os funcionários, a comissão técnica, porque o futebol feminino é dentro do Corinthians e faz com que a gente seja o Corinthians que está sendo dentro de campo. É surreal toda a estrutura, talvez a melhor do Brasil, falo com convicção porque conheço a estrutura de outros clubes, a gente sabe das meninas que passaram por aqui e passaram por outros lugares que não é a mesma coisa e que sirva de exemplo para todos também.

Em Outubro começa a Taça Libertadores, como está a preparação para a disputa de uma competição internacional tão importante?

Victoria Albuquerque:  A Libertadores é um campeonato muito importante para nós também, assim como o Paulista e o Brasileiro a gente quer disputar para vencer, não queremos chegar só para participar. É uma competição internacional, pro currículo da atleta é muito importante, para o clube é uma meta para ser batida e a preparação vem junto com os outros campeonatos que estamos fazendo que é muito forte, inclusive, o grupo é muito forte para suprir todos os campeonatos e estamos muito bem preparadas para jogar a Libertadores também.

Com a ascensão de times como São Paulo, Palmeiras, Grêmio e Cruzeiro no Brasileiro de 2020, teremos um campeonato mais equilibrado, podemos dizer que isso eleva o patamar do campeonato e a dificuldade dentro de campo?

Victoria Albuquerque: toda certeza, nos próximos anos o Campeonato Brasileiro tem tudo para ser um dos maiores campeonatos do mundo, mais difícil e mais competitivo também. A tendência é que clubes de camisa invistam muito mais com essa visibilidade aumentando também, e espero que realmente aconteça isso, que nosso nível técnico, tático e físico continue sempre evoluindo.

Recentemente tivemos a chegada da Pia Sundhage na seleção, como você vê essa renovação?

Victoria Albuquerque: Ah, com certeza. A chegada da Pia é muito boa, a gente fica muito otimista porque sabemos que ela tem um olhar diferente, viveu num país diferente com uma cultura diferente, ela é multi campeã então ela sabe o caminho da vitória, sabe o caminho das conquistas, e tenho certeza que ela vai fazer o que é correto pra gente conseguir chegar num nível que o Brasil já esteve e deve continuar.

Campeã Sul-Americana em 2018 pela base, qual a expectativa pra voltar a vestir a camisa da seleção brasileira visando a preparação para as Olimpíadas em Tóquio?

Victoria Albuquerque: Fico muito ansiosa pra atingir o ápice da atleta que é chegar a seleção principal. A Olimpíada é um dos meus maiores sonhos junto com o Campeonato Mundial com a seleção principal, eu trabalho muito pra que eu esteja preparada caso isso aconteça. É um sonho que eu quero muito realizar e a expectativa é com certeza muito boa.

Você lida com a possibilidade de jogar fora do Brasil sendo destaque pelo Corinthians?

Victoria Albuquerque: Sim, eu tenho uma ambição e um sonho de jogar fora do Brasil, seja na Europa, Estados Unidos, China, eu quero ter essas novas experiências para conhecer o futebol mundial, viver o que ele tem para oferecer pra gente.

BATE BOLA

Qual foi a maior dificuldade na carreira?
Preconceito.

Momento mais feliz?
Ser campeã Sul-Americana.

Ídolo no Corinthians?
Ronaldo

Inspirações pra jogar futebol?
Minha família

Gol mais bonito da carreira?
Fiz um gol num amistoso contra os Estados Unidos que ganhamos de 3×1, o meu segundo gol eu achei muito bonito.

Conhecemos a Vic Albuquerque dentro de campo, como definir a Vic fora de campo em apenas uma palavra?
Alegre, muito alegre.

Qual a importância da torcida corinthiana nos jogos? E um recado pra Fiel.
Victoria Albuquerque: Victoria Albuquerque: Total, a torcida do Corinthians é surreal, é a melhor do país. A importância é o que levanta a gente. Principal, essa é a palavra. Um beijo para a Fiel, vocês são a melhor torcida do Brasil e somos muito dependentes da voz de vocês nos estádios.

Agradecemos imensamente a oportunidade da Vic Albuquerque por ter nos concedido essa entrevista, e vamos estar sempre torcendo nas arquibancadas para que ela e todo o grupo conquiste inúmeras alegrias com a camisa do Corinthians.

É só o começo de uma linda história.
Nunca iremos abandonar vocês, somos Corinthians.
Respeita as Minas!

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui