Os membros da torcida Gaviões da Fiel foram para as ruas neste último domingo, mas promete fazer um movimento ainda maior neste próximo domingo, com o apoio de outros torcedores. A informação é do site UOL Esportes.

Coletivos antifascistas de torcedores têm se articulado para várias manifestações contra o governo Bolsonaro (sem partido) e a favor da democracia no próximo domingo (7). Inspirados pelo protesto de corintianos, palmeirenses, são-paulinos e santistas anteontem na Av. Paulista, militantes de esquerda pretendem “disputar as ruas” com os apoiadores do presidente.

Manifestações puxadas ou apoiadas por esses coletivos já estão confirmadas no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Salvador. Em Porto Alegre, atos desse tipo têm acontecido há ao menos três semanas. Em São Paulo, membros da “Gaviões da Fiel” definiram na manhã de hoje que estarão nas ruas no domingo. Torcidas de outros estados conversam ao longo da semana para confirmar data e local de suas manifestações.

“Já há atos confirmados na maioria dos estados do Nordeste, as torcidas estão fechando apenas os detalhes”, afirmou o contador Bruno Tito, de 33 anos, do “Bahia Antifa”. Uma manifestação conjunta com outros cinco coletivos de futebol está marcada para o farol da Barra, no domingo.

Defensores do isolamento social, os grupos antifascistas viveram um dilema antes de decidir chamar seus membros para se aglomerarem nas ruas. Torcedores de outras capitais do país apontam as ações de corintianos como o incentivo que faltava para eles decidirem romper a quarentena.

Foto: Thais Haliski

“Já tínhamos sido convidados para participar de atos de rua, mas por causa da pandemia avaliamos que não era o caso de incentivar as pessoas a sair de casa”, disse o jornalista Luan Toja, de 30 anos, da “Botafogo Antifascista”. “Mas agora que o movimento se popularizou, reavaliamos e entendemos que é hora de pegar essa onda. Não podemos deixar as ruas dominadas pela extrema-direita.”

Para tentar evitar o espalhamento do novo coronavírus, os militantes orientam seus companheiros a usar máscara e álcool em gel, além de tentar manter certa distância uns dos outros. Eles cogitam pedir ajuda de enfermeiros com termômetros para verificar se participantes estão com febre na entrada de cada manifestação. Mesmo assim, admitem que o risco de contaminação é alto.

“Somos a favor do isolamento social, mas combater o fascismo e as ameaças à democracia também são atividades essenciais”, afirmou Leandro Bergamin, um programador de 42 anos membro do coletivo “Democracia Corinthiana”. “Não podemos deixar que a pandemia sirva de desculpa pra que outros problemas sociais relacionados à má-gestão da coisa pública matem mais gente do que a covid-19.”

Membros de torcidas organizadas tradicionais foram vistos em protestos pela democracia nos últimos fins de semana, mas a diretoria dessas agremiações tem vindo a público para negar que elas estejam convocando protestos.

A própria Gaviões da Fiel não tomou uma posição oficial em favor dos atos puxados por seu membros nos últimos fins de semana. A diretoria prefere focar suas ações em atividades assistenciais, como a doação de alimentos e materiais de limpeza, atitude compartilhada com outras organizadas.

strong>(Créditos pela foto: Reprodução)

1 COMENTÁRIO

  1. Vocês são a favor de arruaça… criem vergonha na cara e façam algo de útil… vão cobrar o presidente do clube que está afundando o time ou vão a favor do Brasil… e não fazer as merdas que gostam de fazer… bando de desocupados…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui