Pelo menos parte da diretoria do Corinthians vê perseguição política da Caixa Econômica Federal na decisão de executar dívida de cerca de R$ 500 milhões referente ao financiamento junto ao BNDES intermediado pelo banco para o clube bancar parcela da construção de seu estádio. Nos bastidores, os cartolas alinham uma sequência de fatos que teriam provocado antipatia do atual governo com o alvinegro para justificar a tese.

Em entrevista à “Folha de S.Paulo” , Pedro Guimarães, presidente da Caixa, empresa estatal, negou que a medida seja algum tipo de retaliação. “Não tem perseguição nenhuma. Isso serve para qualquer caso, qualquer cliente. De maneira natural e tranquila, inclusive seguindo os ritos jurídicos” , afirmou o executivo.

O primeiro argumento dos cartolas corintianos é a ligação de Lula com a arena Corinthians e com o presidente do clube, Andrés Sanchez, ex-deputado federal pelo PT. O dirigente alvinegro aponta participação ativa do ex-presidente para tirar o projeto do papel agindo com o objetivo de convencer a Odebrecht da viabilidade do projeto.

Além disso, a decisão da Caixa de intermediar o repasse de 400 milhões do BNDES para o clube pagar parte das despesas da construção do estádio foi tomada durante governo petista. Atacar a arena seria uma forma de atingir Lula, desafeto do governo Jair Bolsonaro, segundo a ala desconfiada dos cartolas corintianos.

A teoria conspiratória segue com declarações ofensivas de Paulo Guedes, ministro da economia, contra a arena corintiana, em um seminário em março, em São Paulo. “No Brasil é ao contrário, os recursos estão no topo. Então, se o presidente é Corinthians, surge o estádio do Corinthians.

Ninguém consegue pagar aquilo lá [a Arena Corinthians]” , disse o ministro na ocasião. Ele também afirmou que “o Corinthians começa a ganhar Campeonato Brasileiro, porque todo jogo tem um pênalti roubado lá a favor deles” . Guedes foi quem escolheu Guimarães para presidir a Caixa.

Na ocasião, grande parte da plateia riu e as declarações passaram como piadas. O clube emitiu nota de repúdio. Afirmou que o ministro foi insensível em relação ao esforço da agremiação para erguer seu estádio e que suas ironias ofenderam mais de 33 milhões de brasileiros corintianos e, parte deles, eleitores de Bolsonaro.

Outro episódio citado no clube como fator de irritação do governo é decisão da agremiação de se manifestar no aniversário de 55 anos do golpe militar. O alvinegro fez referências à democracia em suas redes sociais e também na arena.

Em meio às queimadas na Amazônia, o clube se posicionou contra os incêndios nas redes sociais com vídeo em que o escudo do clube pegava fogo na parte do mapa do Brasil em que fica a região afetada. Naquele momento, Bolsonaro era massacrado internacionalmente por suas declarações sobre o assunto. Para a ala da direção corintiana que suspeita de retaliação, isso também incomodou.

Na cúpula corintiana, há o entendimento de que o governo ficou extremamente irritado pelo fato de Andrés ter convidado recentemente para assistir a jogos em seu camarote o torcedor que xingou Bolsonaro e foi detido por PMs em seguida. Até uma brincadeira feita por Bolsonaro ao conversar com um torcedor entrou no pacote.

Na ocasião o presidente disse: “Oposição é o Corinthians. Pode ficar tranquilo, pessoal do Corinthians, não vamos tomar o Itaquerão não, tá ok?” . Para completar o cenário de desconfiança, os que sustentam a tese da perseguição afirmam que a Caixa mudou a abruptamente de postura, já que uma longa negociação para o mudar a forma de pagamento vinha sendo tocada.

A relação entre as partes era considerada amistosa. Para a diretoria alvinegra não se justifica executar a dívida sendo que pagamentos vinham sendo feitos, segundo os corintianos.

O problema é que o Corinthians alterou a forma de pagamento conforme previa o acordo, antes mesmo de ele ser assinado. O clube passou a considerar que deveria pagar R$ 6 milhões por mês de março a outubro e R$ 2,5 milhões mensais entre novembro e fevereiro.

Por sua vez a Caixa alega inadimplência, por isso notificou o clube sobre sua decisão pela execução. Como mostrou o blog, na notificação, o banco admite que houve tratativas avançadas, mas alega que o acordo não foi fechado por falta de documentação que deveria ser entregue pelo fundo responsável pela casa corintiana.

Atualização Nesta sexta (13), Andrés disse em entrevista coletiva que há dois meses de atraso levando-se em conta o acordo que não chegou a ser assinado. Segundo ele, pelo trato original, há valores em aberto desde abril.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui