Sylvinho - Corinthians
Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

No empate sem gols contra o Bahia, em Salvador,  Sylvinho completou o sétimo jogo à frente do Corinthians. Os números em seu início não são bons: uma vitória, três empates e três derrotas. No entanto, não dá para dizer que o seu trabalho seja ruim.

O ex-lateral assumiu o Timão no fim de maio com enormes desafios, entre eles dar consistência à defesa e melhorar a criatividade da equipe com elenco reduzido e com poucas perspectivas de chegadas de reforços. Por enquanto, dá para dizer que apenas o primeiro desafio tem mais chances de ser vencido.

Dos sete jogos até aqui, o Corinthians sofreu seis gols. Em três duelos, a defesa passou em branco. É notável a evolução, mas isso não quer dizer que problema esteja perto de ser resolvido. No jogo contra o Bahia, no último domingo, a equipe se defendeu bem na maior parte dos 90 minutos, porém, cedeu as melhores chances aos rivais em falhas. Por pouco elas não custaram caro.

Leia mais:
Duílio deve reduzir R$ 3 milhões da folha salarial do Timão; veja os valores
Náutico pede ao Timão o retorno de zagueiro que nunca estreou
Corinthians pode contratar Dentinho, Alex Teixeira ou Paulinho? Roberto de Andrade explica especulações

Na primeira oportunidade, Gilberto, livre de marcação, testou rente à trave. Já nos minutos finais, Tonny Anderson recebeu com liberdade e obrigou Cássio a fazer grande defesa. Faltou concentração ao sistema defensivo, problema já detectado pelo comandante.

Na derrota para o Red Bull Bragantino, a defesa teve dois tempos distintos. No primeiro tempo permitiu raras chances ao adversário. Contudo, na etapa final, o time de Bragança Paulista aproveitou seguidos erros para virar o placar e imprimir a segunda derrota corinthiana no Brasileirão.

O esquema usado por Sylvinho com três volantes trouxe mais estabilidade à defesa, mas ao mesmo tempo prejudicou o setor de criação. O Corinthians tem criado poucas chances. Foram apenas três gols marcados em sete jogos. Sem um meia armador, a equipe ficou dependente dos avanços de Fagner, das inversões de bola de Cantillo e dos arranques de Mosquito.

Incomoda a pouca participação de Fagner no ataque sob o comando do treinador. A maior virtude do camisa 23 é justamente a chegada ao ataque. No primeiro tempo contra o Bahia, o lateral ficou preso à defesa e pouco apoiou. Já na etapa final, ele teve mais liberdade e participou das três melhores chances alvinegras na partida.

Espera-se um Corinthians mais ousado contra o Sport, na próxima quinta-feira, na Neo Química Arena. O time pernambucano é sério candidato ao rebaixamento. Sylvinho sinalizou a possibilidade de escalar o meia Vitinho, que entrou bem contra o Bahia. O forte candidato a deixar os titulares seria o volante Roni. O alvinegro tem a obrigação em conseguir os três primeiros pontos do Brasileirão dentro da Arena. Até aqui foram duas derrotas para Atlético-GO e Red Bull Bragantino.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui