Fica Romero?


Nas últimas semanas, diversos corinthianos iniciaram a campanha #FicaRomero, para tentar fazer com que o atacante renove seu contrato com o Corinthians.

Porém, o martelo já foi batido há algum tempo: Romero não fica mais no Timão. O paraguaio recusou diversas ofertas de renovação feitas pelo clube desde o fim de 2018 e irritou a diretoria alvinegra ao pedir aumentos absurdos de salário e recusar participar de reuniões para tratar da renovação.

Antes de ir às críticas, vamos relembrar a trajetória de Romero com a camisa corinthiana.

Romero foi revelado pelo Cerro Porteño do Paraguai e chegou à São Paulo em junho de 2014, como um reforço para o restante da temporada. Foi criticado e passou por um período de adaptação, até ser importante na campanha do título Brasileiro de 2015, marcando 2 gols na goleada por 6 a 1 sobre o rival São Paulo na última rodada.

Se tornou titular em 2016 com o desmanche do time campeão no ano anterior. Em 2017, mais adaptado, foi peça fundamental no esquema de Carille e destaque positivo das campanhas dos títulos Paulista e Brasileiro do mesmo ano.

Seguiu como titular incontestável em 2018, chegando ao bi campeonato Paulista e mesmo com as mudanças de treinador durante o ano, seguiu sendo um dos pilares da equipe do Parque São Jorge, alcançando a marca de jogador estrangeiro com mais jogos pelo Corinthians: 222.

Romero ficou marcado pela entrega e raça dentro de campo. Nunca teve bola perdida, nunca desistiu de nenhum lance. Trabalhou e batalhou nos momentos de glória e de baixa do time. Se tornou uma espécie de carrasco dos rivais paulistas, ao fazer gols em todos os três e provocar Santos e Palmeiras.

Foto: Leone / Futura Press / Folhapress

Em junho de 2018, o atacante de 26 anos chegou a afirmar que gostaria de ficar no Timão e só sairia em caso de uma proposta boa para o atleta e o clube. Porém, no mês seguinte Romero vacilou ao entregar sua carreira nas mãos da empresa de gerenciamento de carreiras de jogadores OTB Sports. A partir de então, o discurso mudou.

Não foi à uma reunião com os dirigentes do clube e se negou a conversar. A OTB Sports tomou a frente das negociações e pediu um salário muito superior ao teto do Corinthians, que é pago apenas para Cássio, ídolo alvinegro, e Fagner, formado na base do clube e com experiência na Europa.

Com a visível má vontade da empresa em renovar o contrato e a omissão do atleta no caso, o presidente Andrés Sanchéz decidiu encerrar as negociações e afastar o jogador dos jogos até o fim do seu contrato.

Mesmo com toda a história de entrega de Romero, a decisão da diretoria foi acertada. 
Diversos jogadores já passaram pelo Timão e já se foram, porém o Corinthians sempre fica. Não é correto o clube se rebaixar às vontades de um jogador, ou melhor, de empresários. Além do mais, aceitar elevar tanto o salário do jogador, só causaria mal estar e desconforto com os demais atletas do elenco.

Portando, nos moldes em que se encerrou a negociação, eu não entro no campanha #FicaRomero. Eu entraria a se o mesmo batesse de frente com seus empresários e aceitasse receber uma salário menor do que o pedido inicialmente.

Mesmo com a não renovação, agradeço ao Romero pelos serviços prestados. Agradeço por toda entrega e dedicação, e por entender o que é jogar no Corinthians. Aproveito também para o aconselhar a tomar as rédeas de sua carreira e não mais aceitar imposições de empresários. 

Além do mais, estou esperando um pedido público de desculpas do jogador para a Fiel torcida, pelo desrespeito com o torcedor Corinthiano.

Romero, vai com Deus, boa sorte e, quem sabe, até logo!

#ObrigadoRomero #TchauRomero #VAICORINTHIANS


Postar um comentário

0 Comentários