Você aceitaria? Ex goleiro do Corinthians afirma desejo de voltar, mas não como atleta



Revelado nas categorias de base do Corinthians e bicampeão da Copa São Paulo de Juniores, em 2004 e 2005, Júlio César deixou seu nome marcado na história alvinegra. Longe de 'casa' desde 2014, quando foi para o Náutico, ainda é dele a marca de jogador com mais títulos pelo clube de Parque São Jorge desde que este foi criado, em 1910.

O goleiro esteve no elenco nas 11 conquistas do clube entre 2004 e 2014, incluindo as duas Copinhas, seja como titular, como na conquista do Brasileirão de 2011, ou como terceiro goleiro, como a Copa do Brasil de 2009. Em cinco desses títulos, o atleta esteve em campo pelo alvinegro.

Apesar da fase complicada que viveu após uma atuação infeliz na derrota por 3 a 2 para a Ponte Preta, que provocou a eliminação precoce do Corinthians no Campeonato Paulista de 2012, a identificação do goleiro com o clube não foi abalada. O carinho segue o mesmo e, apesar de não ver possibilidade em voltar ao time como jogador, Júlio César ainda sonha em dar sequência a sua história no Timão, mas de outra forma: fora das quatro linhas.

"Para ser sincero... Para jogar é bem mais complicado, mas eu quero, quando parar de jogar, continuar no futebol, não sei em que área ainda, mas quero trabalhar no Corinthians, sim, porque acho que tem muita coisa em que posso ajudar", disse Júlio César em entrevista exclusiva ao UOL Esporte. O goleiro tem no currículo dois Brasileiros (2005 e 2011), dois Paulistas (2009 e 2013), Série B (2008), Copa do Brasil (2009), Libertadores da América (2012), Mundial de Clubes (2012) e Recopa Sul-Americana (2013).

Júlio iniciou sua história no Corinthians em julho de 2000, aos 15 anos. Hoje aos 34, Júlio César é grato a inúmeras pessoas que fizeram parte de sua ainda ativa carreira. A primeira delas é Adailton Ladeira, ex-técnico das categorias de base do Corinthians e campeão da Copinha em 2004, 2005 e 2009. "Ele tem importância demais na minha carreira porque foi quem me colocou para jogar uma Taça São Paulo, o cara que me deu dicas e conselhos. Quando eu estreei no profissional, liguei para ele para agradecer. É um cara por quem tenho muito carinho e consideração", declarou Júlio César, que desde pequeno já sabia o que queria ser.

"Sempre quis ser goleiro, é paixão da infância. Meus ídolos eram o Ronaldo Giovanelli e o Zetti, foram nestes dois que mais me inspirei", conta o arqueiro, que depois de estrear em 2005, quando Fábio Costa era o titular, precisou de mais cinco anos 'esquentando o banco' de Johnny Herrera, Silvio Luiz, Jean e Felipe até finalmente ganhar a posição, em 2010. O auge, segundo o próprio goleiro, foi alcançado no fim de 2011, com o título brasileiro. O jogo que determinou a conquista - empate sem gols com o Palmeiras, pela última rodada - teve Júlio César como principal destaque. Fechou o gol no Pacaembu e confirmou o penta brasileiro ao Timão.

"É impossível esquecer. Foi um título muito importante. Claro que não era um mata-mata, mas fomos campeões brasileiros, e era a última partida, contra o rival, tudo aquilo envolvido, então para mim foi muito especial. Eu fui o titular, foi o jogo em que homenageamos o Sócrates, mesmo dia do falecimento dele, então esse jogo não esqueço de jeito nenhum. Teve o Mundial, impossível esquecer também, foi um dos momentos mais marcantes da minha carreira, viver a grandeza de ser campeão mundial... Só depois que você para pra pensar e as pessoas falam com você na rua, reconhecem que você foi campeão mundial, que você vê o tamanho do feito que a gente conseguiu fazer", destaca o arqueiro.

Para mim é um orgulho ter participado de tantas conquistas no clube onde fui criado e que amo. É motivo de um orgulho enorme. Foram 11 títulos contando a Copa São Paulo".

Fonte: UOL

Postar um comentário

0 Comentários