Uma passagem fenomenal: os números de Ronaldo Fenômeno 10 anos depois

Foto: Reprodução

A sirene tocou no Parque São Jorge, dia 12 de dezembro de 2008. Bandeirões e mais de 6 mil torcedores ansiosos por aquele momento.

“Este meu retorno não vai ser fácil, mas com muito trabalho e com muito treino e, sem dúvida, muito amor pelo futebol que eu tenho, vou conseguir”, assim profetizou Ronaldo, depois de vestir a camisa 9 pela primeira vez.

O Fenômeno se apresentava no Corinthians, após sua terceira cirurgia na carreira. O momento era de cautela. De fisioterapia. De calma.

Quase três meses depois, ele entrou em campo, longe da torcida, em Itumbiara-GO, contra o time da cidade, pela Copa do Brasil. Aos 21 minutos, do segundo tempo. A atuação foi discreta.

O próximo adversário seria o Palmeiras, pelo Campeonato Paulista. Ronaldo, mais uma vez, começou a partida no banco. De lá, viu o rival abrir o placar. O então técnico Mano Menezes resolveu colocá-lo em campo. E foi como usar uma estratégia guardada a sete chaves. Aos 47 minutos, o Fenômeno subiu no escanteio e acertou, de cabeça, o gol.

O momento mais aguardado pela torcida, após sua apresentação, era eternizado. Ronaldo marcava pela primeira vez no Corinthians.

“Passou um filme da minha recuperação inteira”, declarou naquele dia. Os quase dois anos que seguiram não foram fáceis para o atacante. Em diversas oportunidades se ausentou do campo, as dores foram mais fortes. Ronaldo fez 69 jogos e 35 gols. Ganhou um Campeonato Paulista e uma Copa do Brasil.

Em 13 de novembro de 2010, no Pacaembu, deu a vitória ao alvinegro diante do Cruzeiro, pelo Brasileiro, no último minuto de jogo. Três meses depois, o Fenômeno escolheu o Corinthians para fechar o capítulo final da sua história no futebol. Nem Ronaldo, nem Corinthians foram os mesmos, depois que a sirene tocou naquela manhã de 2008.

Fonte: Corinthians.com.br

Postar um comentário

0 Comentários